Proteção e bem-estar de animais são tema de audiência pública na CMA

por cma — publicado 24/08/2017 15h52, última modificação 24/08/2017 15h52
Proteção e bem-estar de animais são tema de audiência pública na CMA

Proteção e bem-estar de animais

Proteção e bem-estar de animais são tema de audiência pública na CMA

A Câmara Municipal de Araucária esteve reunida na noite de terça-feira (22) para a realização da 1ª Audiência Pública Municipal que teve como finalidade tratar de assuntos relacionados aos problemas do grande número de animais soltos nas ruas do município. A audiência, intitulada, “Eles não falam, mas também tem direitos” foi promovida pelos vereadores Fábio Alceu Fernandes e Ben Hur Custódio de Oliveira, e contou com a presença da vereadora de Curitiba Fabiane Rosa, deputado Rasca Rodrigues, secretário de Meio Ambiente Victor Cantador, secretário de Agricultura Gustavo Botokoski, coordenador do CCZ Jessé Truppel, a veterinária Marina Gayer, Dayane Garcia da ONG Bicho Não é Lixo, protetoras independentes, além de Márcio Barros, representante do deputado Rubens Recalcatti e a participação de munícipes.
A intenção do poder público é buscar soluções acerca do problema que Araucária enfrenta ao ter um grande número de animais em situação vulnerável, sofrendo maus tratos e que, principalmente não são castrados, causando assim a proliferação e superlotação nas ruas do município. Desta forma foi proposto aos presentes que fosse criada uma rede de proteção aos animais envolvendo os poderes executivo, legislativo e protetoras independentes, com o objetivo de criar leis que realmente funcionem, como a fiscalização e conscientização de toda população.

É necessário desenvolver ações de educação ambiental junto a população, buscando criar consciência e responsabilidade da guarda animal, além de ações para adoção responsável e controle populacional dos animais de rua”, pontuou o vereador Fábio Alceu.
Segundo a vereadora Fabiane Rosa, defensora da causa, “além da proteção aos animais, é preciso garantir que os seus direitos sejam respeitados”. Fabiane é autora do projeto de lei que proíbe a queima de fogos com estampidos no município de Curitiba, projeto que ainda espera aprovação.
Todos sabemos que praticar crime contra animais é crime e está previsto na lei nº9.605/1998. Portanto, as pessoas precisam ter consciência de que um cachorro gera responsabilidades e despesas. É preciso saber que ele pode ficar doente e vai precisar de um veterinário, que precisa comer uma ração de qualidade e antes de mais nada, precisa de amor. Enfim, várias coisas que, se a pessoa não tiver condições de zelar pelo cão, é melhor que não o tenha.
A implementação de políticas públicas de proteção e defesa dos animais urbanos visa, principalmente, a redução de gastos governamentais e também a redução de doenças, bem como a limpeza urbana. De acordo Jessé Truppel, coordenador do CCZ
, “não basta controlar os animais que estão soltos nas ruas, é preciso controlar as causas. A castração é importante, mas precisa ser uma campanha permanente”. Uma proposta já apresentada por Jessé Truppel é que fosse criado um departamento direcionado à proteção e bem-estar animal e que fosse monitorado pelas secretarias de Meio Ambiente e Agricultura, já que o CCZ está inserido na Secretaria Municipal de Saúde, além da Guarda Municipal, aumentando assim a fiscalização aos maus tratos e abandono, principalmente de animais domésticos.
Os indivíduos, geralmente, têm conhecimento acerca dos problemas causados pela presença de animais de rua nos municípios, porém não têm o hábito de adotar práticas que possam contribuir para a solução do problema. As campanhas de conscientização têm o apoio da população, mas, na maioria das vezes, não geram uma mudança de atitude.
A elaboração e a gestão de políticas públicas dependem do envolvimento participativo dos diversos fatores sociais e políticos que compõem a sociedade civil local.
O deputado Rasca Rodrigues pontuou que “
para encontrar soluções, é necessário haver diálogo entre todos, e para isso deve-se iniciar a criação de rede de proteção dos animais, além da ajuda às protetoras do município, distribuição de cartilhas educativas nas escolas, campanhas de castração e adoção”.
As soluções para todos os problemas que envolvem os animais devem sempre levar em conta a necessidade de sensibilizar e educar a sociedade, e o primeiro encontro foi um passo positivo para esta causa, portanto, todos
devem aprender que os animais devem ser tratados com dignidade. Somente o esforço coletivo dos vários segmentos da sociedade podem minimizar os anseios da população araucariense, cujos cidadãos desejam e necessitam ter um convívio mais saudável com seus animais de estimação.
Os vereadores Ben Hur Custódio de Oliveira e Fábio Alceu Fernandes se propuseram a realizar reuniões com executivo, protetoras e departamentos competentes
em favor dos direitos dos animais, para que juntos a luta seja contínua, de forma a controlar esta problemática no município.

error while rendering plone.comments